Contextus

Mariana, Brumadinho e depois: o que fazer quando o criminoso é uma corporação?

contextus-logo

Decorridos três anos desde o rompimento da barragem da Samarco, muito pouco foi feito. As indenizações pagas correspondem a menos de 1% do valor pedido inicialmente. As comunidades destruídas não foram recuperadas. Multas não foram pagas. Nenhum responsável está preso. Localidades destruídas tampouco foram recuperadas.

Longe de ser exceção, esse estado de fatos é uma regra em Minas Gerais. Multiplicam-se os casos de ruptura de barramento nos anos recentes. Ao invés de se aperfeiçoarem a regulação e o controle, caminha-se no sentido inverso: a legislação vem sendo sistematicamente afrouxada de modo a facilitar os licenciamentos. Sem ações eficazes para enfrentar o problema, todos os casos de ruptura de barragem vão, aos poucos, caindo no esquecimento.

É uma situação que leva a constatar a incapacidade institucional dos sucessivos governos para exercer sua tarefa de fiscalizar as atividades econômicas tendo em vista o bem comum e a sustentabilidade ambiental e social. Ao contrário, dependentes economicamente das receitas que obtêm da mineração por meio de taxas e impostos, os governantes tendem a ignorar o problema ou a contribuir diretamente para que a situação se agrave. Também no Poder Legislativo, assiste-se à capitulação de parlamentares e políticos frente ao lobby das empresas mineradoras, que oferecem aos políticos fartos recursos pela defesa de seus interesses.

A tragédia que se abateu sobre a cidade de Brumadinho no final de janeiro deu visibilidade às complexas relações entre a política e o poder econômico das grandes empresas da extração mineral. No centro dos acontecimentos se encontra novamente uma das maiores mineradoras do mundo, a Vale, que já havia protagonizado, em Mariana, outra das maiores tragédias ambientais do Brasil.

As investigações já têm apontado que a catástrofe em Brumadinho poderia ter sido evitada. Multiplicam-se na imprensa as notícias de que, meses antes, a Vale já tinha conhecimento do risco de uma iminente ruptura da barragem. Argumenta-se que pelo menos a perda de tantas vidas humanas poderia ter sido evitada se medidas efetivas tivessem sido tomadas para informar funcionários e moradores sobre a ameaça.

Além disso, nas últimas décadas a Vale e outras mineradoras fizeram a opção de adotar uma técnica de contenção dos rejeitos tendo como critério o seu mais baixo custo. Com tal decisão, escolheram um modelo reconhecido pelo seu alto risco. Por essa razão, vem se fortalecendo a tese de que não houve acidente, mas sim um crime contra o meio ambiente e contra a humanidade.

Em meio a tamanha tragédia, esta edição de Contextus (n. 31) encontra um alento: graças à pressão popular dos movimentos sociais e de outros agentes públicos foi aprovada uma nova lei estadual chamada “Mar de lama nunca mais”, com um novo marco regulatório para a segurança de barragens de rejeito. O embate, agora, se desloca para o Congresso onde prossegue o desafio de se criar uma regulação nacional que proteja o meio ambiente e as comunidades próximas às atividades de extração mineral.

Contextus – 031 – mar/2019

Contextus – 030 – dez/2018.

Contextus – 029 – nov/2018.

Contextus – 028 – ago/2018.

Contextus – 027 – abr/2018.

Contextus – 026 – fev/2018.

Contextus – 025 – dez/2017

Contextus – 024 – out/2017

Contextus – 023 – jun/2017

Contextus – 022 – mar/2017

Contextus – 021 – dez/2016.

Contextus – 020 – out/2016

Contextus – 019 – ago/2016

Contextus – 018 – mai/2016

Contextus – 017 – mar/2016

Contextus – 016 – dez/2015

Contextus – 015 – set/2015

Contextus – 014 – jul/2015

Contextus – 013 – jun/2015

Contextus – 012 – abr/2015

Contextus – 011 – mar/2015

Contextus – 010 – dez/2014

Contextus – 009 – out/2014

Contextus – 008 – set/2014

Contextus – 007 – ago/2014

Contextus – 006 – jun/2014

Contextus – 005 – abr/2014

Contextus – 004 – mar/2014

Contextus – 003 – dez/2013

Contextus – 002 – nov/2013

Contextus – 001 – out/2013